A marioneta

1 de agosto de 2017


Que poder temos sobre nós próprios?

Já acreditei que quem comanda a vida somos nós, já desconfiei que o nosso destino está traçado.
Ultimamente ando fora do meu controlo, faço o que a vida exige de mim sem sequer parar para pensar e sem saber
 ao certo onde me vai levar.
Sinto-me uma marioneta, vou por aqui e por ali conforme decidem. 
Aos poucos vou esquecendo o meu ritmo e corro sem tempo por aí.
Sinto-me uma marioneta sem decisão, uma marioneta nas mãos de quem se esquece do meu eu.
Aos poucos vou esquecendo os meus desejos e só cumpro as obrigações.
Apesar disso, ainda me lembro de que a vida não são só obrigações e, mesmo que fosse,
 a nossa maior obrigação é lutar pela nossa felicidade.

É necessário cortar as linhas que nos suportam, mas que nos impedem de ser livres.
 É necessário cair para termos a possibilidade de recomeçar.
É necessário ser feliz.


*
Vou finalmente retomar este rumo e voltar a acompanhar os vossos blogues.
Foi uma ausência que não desejei, mas que não consegui evitar. 
Agradeço a todos os que foram por aqui passando e a todos os que me foram deixando palavras de carinho,
é também graças a vocês que este rumo faz sentido.
Um beijinho, até já!


21 comentários:

  1. A vida é composta de todos esses momentos. Por vezes andamos ao sabor das ondas, outras vezes somos nós que imprimimos o rumo ao nosso barco, e tantas vezes contra a corrente. É preciso que saibamos encontrar o equilíbrio, sem nunca nos esquecermos de nós próprios, porque não nos podemos deixar fraquejar. (Por vezes também precisamos que mais Alguém pegue nos nossos remos e reme connosco ou por nós).
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, tudo se resume a encontrar o equilíbrio porque sempre vão existir altos e baixos.
      Obrigada por partilhar esta reflexão, gostei muito de a ler.
      Um grande beijinho

      Eliminar
  2. Por vezes o afastamento faz bem, mas depende do quê!
    Ainda bem que estás de volta

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro, às vezes é preciso fazer uma pausa. No meu caso, foi uma pausa por não ser possível conciliar tudo, mas felizmente estou de volta.
      Obrigada Cidália, um beijinho.

      Eliminar
  3. Que bom estar de volta! Às vezes, naufragamos e custa chegar à praia... Mas chegamos lá e recomeçamos....
    Obrigada pela visita
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Marta! Recomeçar pode ser difícil, mas pode ser a solução.
      Beijinhos

      Eliminar
  4. Um bom regresso e seja feliz, na vida é necessário conhecer o equilíbrio e, para isso, por vezes é necessário sermos sábios.

    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada! Estou de acordo, o equilíbrio é o segredo é aquilo que vamos aprendendo é essencial para o que está para vir.
      Beijinho

      Eliminar
  5. A vida e o seu rumo pertence-nos por inteiro. Eu acredito nisso.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Seja ou não um poder que nos cabe por inteiro, decidir o rumo da vida compete a cada um.
      Obrigada pela visita!
      Beijinho

      Eliminar
  6. Querida Rita,

    Este teu texto tão belo e profundo, com esta tua capacidade única
    de nos tocar, como um grande espelho da raça humana, do
    reconhecesse na viagem em que é a vida...
    Mas, percebo que precisamos Ser sempre e sentir numa entrega
    com a própria vida para esta dança da felicidade, que às vezes
    muda de ritmo melódico (tristeza, alegria, sofrimento, luta, ets...)
    e importante é a dança, porém, com o nosso ritmo próprio
    e escolhas...
    Adorei a tua volta, partilhar nestes sentires através da tua escrita
    original e tão belamente e valorosa humana.
    Este teu espaço que percebo teu talento literário e tua Alma-Ser
    luminosa mora no meu coração de admiração e amizade neste partilhar
    a viagem da vida espelhada na escrita.
    Uma semana feliz na dança da vida, amiga de viagem (que é a vida!)...rss
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Suzete,
      Um enorme obrigada pelas suas amáveis palavras que me deixaram de coração cheio.
      A dança sempre será dança, seja qual for o ritmo da música e a felicidade sempre será felicidade, seja em dias de sol ou de chuva. Podemos não ser os melhores bailarinos, o que importa é sermos livres e felizes quando dançamos (ou vivemos).
      Uma semana cheia de sorrisos, beijinhos.

      Eliminar
  7. Será que somos mesmo nós que comandamos a vida...

    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma dúvida que trago e sobre a qual nunca existirão respostas certas.
      Bom fim-de-semana, um beijinho.

      Eliminar
  8. Rita... seu texto ajuda a refletir o que é excelente!
    Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda bem, quando refletirmos aprendemos sempre algo.
      Beijinho

      Eliminar
  9. Olá Rita.
    Bonito texto que me deixou a pensar, por vezes somos mesmo marionetas, nas mãos dos outros, mas temos que ser mais fortes e dizer, basta também somos seres humanos e queremos ser felizes.
    Beijinho grande e muita força.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá! É verdade, por vezes perdemos o controlo e são os outros que pegam nas rédeas e é preciso mesmo coragem para reivindicá-las.
      Obrigada pela visita e pela simpatia, um grande beijinho.

      Eliminar
  10. Acho que deixamos de ser nós... a partir do momento em que nascemos... a partir daí... somos moldados, pelos condicionalismos, pela sociedade... com as suas pressões, exigências e expectativas...
    Deixamos de ser nós... para sermos a forma... com que os outros nos vêem e julgam... e como as circunstâncias nos permitem ser...
    Mais um post formidável, por aqui! Bom ter-te de volta!
    Bom domingo, feliz Agosto... e óptimas férias, se for o caso!
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar
  11. Rita, é fundamental apreciar plenamente os bons momentos que a vida nos vai oferecendo, é neles que se encontra a felicidade.
    Embora pense que 80% do nosso tempo é rotina e cumprimento de obrigações, ficam os restantes 20% para fazermos o que mais nos agrada e mesmo na rotina, sempre podemos "colher" momentos felizes, basta estarmos predispostos a observá-los.
    Beijinhos
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderEliminar
  12. Às vezes não parece nada fácil cortar essas linhas

    ResponderEliminar

 
FREE BLOGGER TEMPLATE BY DESIGNER BLOGS